quinta-feira, 11 de agosto de 2011

O que é a condromalácia patelofemoral? (condromalácia patelar)



Os mais variados tipos de pessoas e de atletas reclamam de condromalácia. Porém, nem sempre sabem o que é ou o que fazer para melhorar a dor. Este pequeno texto tem o objetivo de trazer algumas respostas de maneira clara e objetiva para orientar todos aqueles que estejam sofrendo os males dessa condição de degeneração da cartilagem do joelho, a condromalácia.


O que é a cartilagem?
A cartilagem é o tecido que recobre a superfície da patela que entra em contato com a tróclea femoral, que é a ranhura por onde a patela desliza quando dobramos ou esticamos o joelho. A cartilagem intacta não somente protege o osso, como permite que o deslizamento da patela seja feito com um mínimo de atrito, e o movimento seja realizado de maneira fluída.

E o que é a condromalácia?
Condromalácia (no caso estou me referindo à condromalácia patelofemoral, que ocorre no joelho) é o amolecimento dessa cartilagem.

Mas a condromalácia é mais que isso.



Ela é o início de um processo degenerativo da cartilagem. A condromalácia acontece, em geral, pelo fato da patela não deslizar de maneira adequada quando dobramos ou esticamos o joelho. Se isso não for corrigido, a condromalácia irá se agravar, e assim haverá um desgaste da cartilagem. Como a cartilagem está cobrindo o osso, este poderá ficar exposto, desprotegido. Com o osso exposto, não só haverá maior possibilidade de sentir dor, como o movimento da patela se tornará mais difícil.

Existem ao todo 4 graus de degeneração.
1º grau: amolecimento e edema na cartilagem. Se você está no 1º grau, você tem condromalácia.
2º grau: fragmentação ou fissuras numa área menor que a de 1,3cm.
3º grau: fragmentação e fissuras numa área maior que 1,3cm.
4º grau: exposição do osso devido a uma erosão da cartilagem.

Como assim a patela não se desliza adequadamente pelo joelho?
A patela tem músculos que a puxam para os dois lados. Um deles, chamado vasto medial, a puxa para dentro, enquanto outro, chamado vasto lateral, a puxa para fora. Acredita-se que o desequilíbrio de forças entre esses músculos, com um deles puxando mais que o outro, promoveria a movimentação inadequada. No caso, em geral o vasto medial tenderia a ficar mais fraco, e o vasto lateral predominaria, puxando a patela para fora. Assim quando o joelho fosse dobrado ou esticado, a patela seria puxada para fora, e isso promoveria uma compressão inadequada e excessiva dela contra o fêmur.

Porém, o deslizamento inadequado da patela pode ter outras origens que não seriam mutuamente exclusivas. Um exemplo é no caso de um (outro) músculo na região externa da coxa estar encurtado. Esse músculo, o Tensor da Fáscia Lata, estando encurtado, tenderia a trazer a patela lateralmente, promovendo assim um efeito semelhante ao do desequilíbrio muscular que mencionamos acima.

Existem outras possíveis origens para o deslizamento incorreto da patela, de forma que cabe ao fisioterapeuta fazer uma avaliação correta em cada caso.

Como é a dor da condromalácia?
Condromalácia não produz dor.

A condromalácia é o amolecimento da cartilagem, mas cartilagem não tem inervação, então não tem como gerar dor.

A condromalácia patelar muitas vezes é confundida com uma condição de dor chamada de dor patelofemoral. Isso pois as duas condições podem ter a mesma origem, que é a movimentação inadequada da patela. Dessa forma, a dor patelofemoral muitas vezes está presente nas pessoas com condromalácia, e por isso acredita-se que esteja com dor devido à condromalácia.

Essa talvez seja a principal explicação de não existir uma correlação direta entre o grau de degeneração da cartilagem e a dor ou limitação provocada (ou seja, uma pessoa com degeneração grau 2 pode sentir mais dores e ser menos capaz de realizar esforços que uma pessoa com degeneração grau 4). Porém, a tendência é de que, quanto maior o grau de degeneração, maior a possibilidade da pessoa sentir dor ou limitações, pois a cartilagem não apenas recobre o osso, como facilita a movimentação. Sua ausência tornaria a movimentação mais difícil e isso colaboraria com o aparecimento de dores. Além disso, o osso é um tecido que tem bastante inervação e estando ele exposto (sem a cobertura da cartilagem) seria outra fonte importante de dores.

A dor geralmente é sentida ao redor ou atrás da patela, especialmente quando forçamos o joelho ao agachar, subir ou descer escadas, correr, ou em outras atividades. Dentre outros sintomas, há “sinal do cinema” que é a dor ou incômodo do joelho que se sente ao permanecer muito tempo sentado. Pode-se também sentir rangidos no joelho ao dobrá-lo ou esticá-lo. O inchaço, ou edema, no joelho, é incomum, não é um sinal clássico de condromalácia.

E como curar a condromalácia?
Caso tenha havido uma maior degeneração da cartilagem, infelizmente a única forma é através de cirurgia, pois cartilagem não se regenera. Caso você só tenha mesmo condromalácia (que é o 1º grau de degeneração, como falamos), evitar a sobrecarga excessiva e ter um joelho forte e em bom funcionamento permitirá à cartilagem voltar a seu estado mais saudável.

E o que fazer para resolver as dores?
A principal atividade que você pode fazer é o fortalecimento muscular. Você deve procurar orientação profissional para realizá-lo, pois deve haver limitação de certos ângulos de exercício, com o objetivo de evitar posições que geram muita compressão na cartilagem, que assim poderiam sobrecarregá-la ainda mais.

Outro aspecto fundamental é a correção de seus movimentos. A patela pode estar indo para o lado também como resultado de sua movimentação inadequada. Andar com o joelho valgo (caindo para dentro) pode favorecer o deslizamento da patela para o lado de fora, assim como ter o costume de pisar com o pé apontando para fora (como o andar dos patos). As atividades esportivas também deverão ser corrigidas, pois a forma como alguém salta ou corre pode estar contribuindo. 

A falta de elasticidade muscular e a má postura são outras condições muito importantes, que podem estar envolvidas no desenvolvimento das dores. Todos esses aspectos devem ser devidamente tratados e resolvidos para diminuir a sobrecarga na cartilagem e seu joelho (e você) possam voltar a se movimentar adequadamente.

Se você estiver sentindo dor após a atividade, pode usar uma bolsa de gelo no joelho.

A fisioterapia ainda dispõe também de recursos eletroterapêuticos, como TNS e ou Ultra-Som que podem trazer alívio às dores.

E o que fazer caso tenha havido a degeneração?
Melhorar o equilíbrio muscular e o funcionamento de seu joelho. Isso vai protegê-lo de qualquer agravamento da condição e trazer melhora da dor e da capacidade de realizar atividades físicas. Veja o parágrafo acima (- e o que fazer para resolver as dores? -) pois as orientações são as mesmas. Os mesmos procedimento que ajudarão a diminuir as dores (excetuando-se o gelo e os recursos eletroterapêuticos, que são mais específicos para a resolução das dores) são os mesmos procedimentos que protegem a articulação do joelho.

E o que fazer para prevenir a condromalácia?
Para prevenir a condromalácia recomenda-se manter o bom condicionamento e equilíbrio da musculatura, manter a flexibilidade, realizar os movimentos corretamente e manter uma boa postura.

Exercícios de fortalecimento, quando bem orientados, não só aumentam a força dos músculos, mas tornam ligamentos, tendões, e cartilagem mais fortes também, diminuindo assim a chance de lesão nesses tecidos. E músculos com força equilibrada permitem à patela se movimentar adequadamente.

A flexibilidade permite com que as articulações se movimentem com a amplitude necessária, sem gerar compensações ou alterações de seu movimento que poderiam vir a promover uma sobrecarga desnecessária.

Movimentos realizados de maneira inadequada sobrecarregam desnecessariamente os ossos, a cartilagem, e assim por diante. A movimentação correta permite com que haja somente a mínima sobrecarga necessária.

Com uma postura adequada, tudo está no seu devido lugar. Posturas inadequadas, além de favorecerem movimentos inadequados, geram posições incorretas de ossos, articulações e músculos, aumentando a sobrecarga nesses tecidos, podendo levar a um desgaste ou a dores.

Sendo assim, independentemente de sua atividade esportiva ou ocupação, tenha músculos fortes e flexíveis, e mantenha uma postura e movimentação correta, e você tem a receita essencial para manter-se protegido da condromalácia. 

10 comentários:

  1. olá. sei que o post é antigo, mas espero que alguém leia... eu tenho diagnóstico de "síndrome patelofemoral". é o que o médico escreveu na primeira ficha de musculação que eu tive na vida. isso foi há uns 10 anos. eu sentia dor e dormência acima da rótula. fiz imagens na época e os ligamentos e a cartilagem estavam ok. tanto é que ele disse que nem me mandaria pra fisioterapia (ele é médico de time de futebol e cirurgião). aí ele mesmo me fez uma ficha e eu fui pra academia. tive sorte de o professor estar teminando faculdade de fisioterapia e ele me acompanhou por uns 5 anos. saí daquela academia sem dor. essa dor só volta se passo alguns dias sem ir à academia ou se algum professor, por saber dessa minha condição, "pega leve". meus joelhos ficam bem com carga. claro, nada absurdo, mas sinto meus joelhos mais estáveis qdo faço exercícios com uma carga ok. sou mulher (ou seja, quadril de mulher...) e tenho o fêmur longo. minha dúvida é: sempre vejo condromalácia relacionada à síndrome patelofemoral. li outro post aqui e, pelo que entendi, essa síndrome é a dor apenas? ou seja, eu não teria condromalácia? é isso? sempre que menciono síndrome patelofemoral, vem alguém me falar de condromalácia. mas não tenho nada degenerado (os exames mostraram). eu deveria dizer que AINDA não tenho condromalácia ou isso não necessariamente vai acontecer? tenho 36 anos e treino bem pesado há uns quase 10 anos (depois que estabilizou, fui evoluindo na musculação). obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Isso não necessariamente vai acontecer. Porém, com a idade algum grau de artrose vai ser observado (em praticamente todas as pessoas). Condromalácia e síndrome patelofemoral são duas condições distintas, que muitas vezes ocorrem simultaneamente, e que podem ter a mesma origem.

    Um abraço,

    Claudio

    ResponderExcluir
  3. entendi. vou até salvar este comentário aqui para mostrar qdo alguém vier me dizendo que tenho condromalácia... se nem o ortopedista disse isso! muito obrigada pela rápida resposta! contnuarei firme e forte na academia. =) um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Olá, o que o senhor acha dos condroprotetores, vitamina C, ômega 3 e cartilagem de tubarão no 'combate' à condromalácia patelar.
    Grato,
    Fernando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fernando,

      veja, os condroprotetores têm a função de preservar a cartilagem e diminuir sua degradação, embora não "reconstruam" cartilagem perdida. A maior parte dos pacientes refere melhora leve da dor com o uso deles.

      Eu desconheço os reais efeitos da vitamina C, omega 3 e cartilagem de tubarão, não acompanho pesquisas a respeito. Você vai saber mais sobre tudo isso conversando com um médico especializado em ortopedia ou esporte (ou mesmo reumatologia). Os médicos são os profissionais que podem prescrever esses medicamentos e, portanto, os mais indicados para lhe fornecer informações de qualidade a respeito.

      Atenciosamente,

      Claudio

      Excluir
  5. Boa tarde Dr. Claudio!

    Sinto muita dor quando permaneço muito tempo andando, tenho dor na parte de cima e de dentro, perto da patela, e quando forço a perna para estende-la, a dor aumenta, o que pode ser?

    Obrigada, Carol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol, antes de tudo seria muito importante que você procurasse um profissional da saúde que pudesse avaliá-la pessoalmente, é muito difícil, e até antiético, fornecermos diagnóstico sem realmente avaliarmos, presencialmente, qualquer pessoa.

      O que posso lhe dizer, porém, é que essa região costuma ser fonte de queixas em paciente cujo diagnóstico é a síndrome patelofemoral (ou condromalácia, embora a cartilagem não seja realmente fonte de dores). Por outro lado, a parte de cima da patela é onde se insere o tendão do quadríceps, e uma tendinite de quadríceps nesse ponto que se fixa na patela, pode gerar dores também.

      Carol, muitos outros diagnósticos são possíveis. procure um profissional da saúde de forma que ele possa te avaliar e te orientar sobre o que fazer adequadamente. Essa é a melhor recomendação, e a melhor resposta, que posso te dar.

      Atenciosamente,

      Claudio

      Excluir
  6. Boa tarde doutor!

    Eu sou atleta de handebol a 10 anos, e só comecei um reforço muscular a aproximadamente 2 anos. Fui diagnosticado a alguns dias com condromalacia patelar nos dois joelhos, mas infelizmente sou de uma cidade pequena e infelizmente não temos muitos recursos tecnológicos para exames. Minha dúvida é, através de uma radiografia simples é possível detectar a síndrome? e o grau em que a mesma se encontra?
    De acordo com o ortopedista que me atendeu, para meu tratamento serão necessários 2 meses de fortalecimento muscular isométrico além de anti-inflamatórios por 7 dias.
    Gostaria de uma opinião sua a respeito.

    Outra dúvida é quanto a síndrome de slap, a qual também fui diagnosticado, porém, o diagnostico foi devido a ao teste de movimento do ombro, o único movimento que senti dor foi no movimento de abdução frontal com rotação interna do ombro, nos outros movimentos não senti nada, apenas um leve incomodo dependendo da posição. Durante os jogos, antes de ter o corpo realmente aquecido sinto dores nos arremessos, mas depois não sinto mais nada.
    Gostaria de uma opinião a respeito também

    Desde já, muito Obrigado e parabéns pelo blog que muito esclarecedor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Francis,

      o diagnóstico de condromalácia, ou seja, de alteração na qualidade da cartilagem do joelho, em geral é feito (pelos médicos) através de uma ressonância magnética, embora radiografias também possam ser utilizadas.

      Francis, eu não costumo opinar a respeito da orientação de outros colegas, especialmente pela internet quando não temos a possibilidade de avaliar e observar a pessoa presencialmente, realizando nossa avaliação clínica normalmente.

      A minha opinião geral de como funciona e o que fazer em relação à condromalácia, pode ser lida no artigo acima. Como disse, prefiro jamais opinar sem ter avaliado o caso pessoalmente.

      Infelizmente, devo lhe dar resposta semelhante em relação à lesão SLAP. É muito difícil opinar sem ter avaliado pessoalmente. As dores no ombro podem ter diversas origens, como tendinites, síndrome do impacto, instabilidades, lesões na cápsula, ligamentos, enfim...

      Sinto não poder ser de maior ajuda.

      Atenciosamente,

      Claudio

      Excluir
  7. Oi gente, tenho 20 anos e tenho condromalácia patelar, ja fui diagnosticada a 7 meses e até agora sofrendo... Meu ortopedista acha que eu nem devia ter voltado para a academia, minha reumato diz que eu não devia fazer agachamento... meu fisioterapeuta me liberou para malhar a meses atrás, ja estou malhando a uns meses, mas agora meu novo instrutor da academia me deu um treino muito pesado, com poucas máquinas só que muito pesados e tenho muito medo que machuque meu joelho, ele sabe do meu problema e disse que é pra fortalecer o musculo perto do joelho rapidamente, mas meu joelho está dolorido e sei que quando piora, PIORA MUITO, como vocês melhoraram e malharam? =/

    ResponderExcluir

Pessoal, não estamos mais respondendo a comentários. Nossa atenção toda está voltada ao nosso site profissional, o Optima Fisioterapia (www.optimafisioterapia.com.br). Agradecemos à compreensão de todos!

Ocorreu um erro neste gadget
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...